D. Mona

D. MONA


D'où venons-nous? / De onde viemos?
D. Mona nasceu em Agosto de 2017 e assume-se enquanto cooperativa pluriartística liderada por mulheres (é preciso muita força para parir um tigre). O projecto foi criado pela encenadora e actriz Mónica Kahlo e pela antropóloga e investigadora Sílvia Raposo como um espaço de reflexão e experimentação artísticas, contando com as intérpretes Margarida Camacho, Anabela Pires e Liane Bravo.

Que sommes-nous? / Quem somos?
D. Mona é um laboratório de experimentação no qual as limitações são convertidas em abordagens estéticas, porque é preciso dizer rosa em vez de dizer ideia, numa estratégia  poético-performativa de bricolage cultural, inversão de categorias histórico-sociais e nomadismo artístico.

Où allons-nous? / Para onde vamos?
D. Mona desloca-se para um lugar de fronteira entre a performance, as artes plásticas, a dança contemporânea, a arte literária, a etnografia e o audiovisual.

Queremos parir um tigre, que devore Shakespeare, Brecht, Van Gogh, Artaud, Cicciolina, Rivera, Abu-lughod, Heiner Müller, Monet, Foucault, Fassbinder, Ed Wood, Pina, Gauguin, Stanislavski, Beckett, Frida, Cesariny, Beethoven, Fernando Pessoa e mais os planetas desertos, que também mandam coisas, para os digerir e cuspir na caixa preta. Eis o nosso pós-Pollock pós-moderno!



D. Mona. D. Mona.D. Mona.D. Mona.D. Mona.D. Mona.D. Mona.D. Mona.D. Mona.D. Mona.D. Mona.D. Mona.D. Mona.D. Mona.D. Mona.D. Mona.D. Mona.D. Mona.D. Mona.D. Mona.D. Mona.D. Mona.D. Mona.D. Mona.D. Mona.D. Mona.D. Mona.D. Mona.D. Mona.D. Mona.D. Mona.D. Mona.D. Mona.D. Mona.D. Mona.D. Mona.D. Mona.D. Mona.D. Mona.D. Mona.D. Mona.D. Mona.D. Mona.D. Mona.D. Mona.D. Mona.D. Mona.D. Mona.D. Mona.